segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Corte e costura: Tipos de tecidos de fibras natural e seus cuidados.

Corte e costura: Tipos de tecidos de fibras natural e seus cuidados.
As fibras são os componentes básicos dos tecidos. Cada fibra transmite ao tecido com ela fabricado uma característica inerente à mesma. Embora a característica de uma fibra possa ser alterada pela estrutura do fio, pelo tipo e acabamento do tecido, a sua estrutura original é ainda evidente no tecido e constitui um fator determinante das aplicações deste e dos cuidados a dispensar-lhe.

As fibras naturais possuem as irregularidades e sutilezas inerentes a tudo o que é natural. Estas qualidades contribuirão para a beleza dos tecidos a partir delas obtidos.

O poder de absorção e a porosidade são igualmente próprios das fibras naturais, tornando-as sensíveis às variações de temperatura e de umidade e, por conseguinte, agradáveis de usar nas mais variadas condições climáticas. Características menos desejáveis são, por exemplo, a limitada elasticidade, principalmente do algodão e do linho, o que torna os tecidos com elas fabricados propensos às rugas.

O algodão, o linho e a lã existem como fibras relativamente curtas (algodão, 22-45 mm; lã, 50-120 mm, raramente até 400 mm; linho, até 500 mm).

Antes de se proceder à tecelagem, as fibras devem ser transformadas em fios por meio de um conjunto de operações que constituem a fiação. A escolha do processo de fiação a utilizar é função do comprimento da fibra. Os tecidos obtidos a partir das fibras mais compridas são os de melhor qualidade e designam-se por penteados, no caso do algodão, e por estambre ou penteado, no caso da lã. Esses tecidos, geralmente de preço mais elevado, são mais duráveis.

A fibra da seda é constituída por um único filamento contínuo e comprido obtido a partir do casulo do bicho-da-seda. As fibras curtas resultantes do desnovelar do casulo são fiadas e utilizadas para a produção de uma seda de toque áspero, designada por seda fiada.
Características dos tecidos de fibras naturais:

FIBRAS NATURAIS



Fibra e sua origem

Características

Tecidos típicos e aplicações

Cuidados a ter

Algodão.

Obtém-se a partir da semente do algodoeiro.

Resistente, mesmo quando molhado;
Absorvente;
Bom condutor do calor;
Amarrota-se facilmente;
Tinge com facilidade;
Encolhe, exceto quando devidamente tratado;
É atacado pelo bolor;
Perde resistência sob a ação da luz solar.

Tecidos versáteis em peso e estrutura.
Utilizados em vestuário de Verão e roupas de trabalho.

Exemplos: veludo cotelé, sarja, popelina, turco ou organdi.

Os algodões podem, na sua maioria, ser lavados; os de cores sólidas, em água quente; os outros, em água fria ou morna.
Centrifugação e secagem a uma temperatura elevada.
Quando as instruções o permitirem pode-se usar água sanitária.
Passe a ferro enquanto úmido.

Linho.

Obtém-se a partir da raiz da planta do linho.

Resistente;
Absorvente;
Bom condutor do calor;
Amarrota-se, a menos que seja tratado;
Difícil de tingir;
Tem uma certa tendência para encolher e esticar;
É atacado pelo bolor.

Os tecidos apresentam normalmente toque áspero e brilho natural.
São de peso variável, do muito leve ao pesado.
Utilizados em vestuário de Verão e também em roupa de casa.

Normalmente é limpo a seco para manter o aspecto rugoso.
Pode ser lavado, caso se prefira um tecido mais macio.
Como regra, encolhe com a lavagem.

Seda.

Obtém-se a partir dos casulos do bicho-da-seda.

Resistente;
Absorvente;
Má condutora do calor;
Não amarrota;
Tinge com facilidade, mas pode manchar;
Resiste ao bolor e à traça;
Perde resistência sob a ação da luz e da transpiração

Tecidos luxuosos e brilhantes de peso variável.
Utilizados em vestidos, blusas e forros.

Exemplos; brocado, chiffon, crepe, cetim, jérsei.

Normalmente limpa a seco.
Quando lavável, utilize um detergente suave e lave à mão.
Evite o uso de água sanitária.
Passe a ferro a baixa temperatura.

Lã.

Obtém-se a partir do velo dos carneiros.

Pouco resistente;
Excepcionalmente absorvente;
Má condutora do calor;
Amarrota pouco;
Fácil de tingir;
Necessita de tratamento antitraça;
Encolhe, exceto quando tratada.

Tecidos de peso, estrutura e textura variados.
Utilizados em camisolas, vestidos, saias e casacos.

Exemplos: crepe, flanela, gobardina, tweed e jérsei.

Limpa a seco, geralmente.
No caso das camisolas, muitas suportam a lavagem em água morna, caso se utilize um detergente suave; não devem ser torcidas.
Não utilize água sanitária.
Algumas lãs podem ser lavadas à máquina (desde que tenham um tratamento adequado) seguindo-se as instruções.



sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Corte e costura: o que veremos no Módulo Tecidos

Corte e costura: o que veremos no Módulo Tecidos

Itens que veremos a seguir no Módulo a respeito de Tecidos no corte e costura:

Fibras naturais,
Fibras sintéticas e artificiais,
Os fios de que são feitos os tecidos,
Tecidos obtidos por tecelagem,
Malhas
Outras estruturas de tecidos,
Acabamento,
A compra do tecido,
Quantidade necessária de tecido,
Acerto do desenho,
Colocação do motivo,
Disposição num único sentido (com preceito) e
Dificuldades na utilização de tecidos.



quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Corte e costura: O que significam as marcações presentes nos moldes.

Corte e costura: O que significam as marcações presentes nos moldes.
Todas as peças do molde apresentam marcações que, no seu conjunto, constituem uma espécie de "linguagem", indispensável para proceder com exatidão em todas as fases do trabalho.
Observe cuidadosamente as marcações; cada uma delas tem um significado especial. Algumas referem-se a alterações. No molde do corpo, por exemplo, a linha dupla serve de guia para aumentar ou reduzir.
Utilizam-se outras marcações para a junção das partes que devem ser unidas. Mesmo a numeração existente nas peças é importante, pois indica a ordem a seguir no trabalho. As marcações a seguir apresentadas são comuns à maioria dos moldes.

Os tipos de marcações utilizadas nos moldes para o corpo (frente) :




Linha de corte.
Linha exterior a cheio. Pode aparecer também na parte interior do molde para designar a linha de corte para um modelo mais curto, um decote mais fundo, etc.
Linha de costura.
Indicada por uma linha tracejada, Situa-se normalmente a cerca de 15 mm da linha de corte, embora esta medida possa variar.
Pequenas setas.
Utilizadas em alguns moldes para indicar o sentido em que se deve costurar. Noutros moldes, o desenho de um pé calcador tem a mesma finalidade.
Indicação para aumentar ou reduzir as dimensões.
A linha dupla indica o local onde proceder a alteração.
Sinais de encontro.
Marcas em forma de losango utilizadas para a junção rigorosa das peças. Pode aparecer uma ou mais marcas; nas peças a unir, o seu número e localização são condizentes.
Círculos (por vezes também quadrados ou triângulos).
Marcas igualmente destinadas a auxiliar a junção de peças que devem ficar unidas. Também utilizadas para designar certos detalhes de construção ou o final de uma costura.
Neste último caso, a costura terminará no centro da marca.
Colchete com setas.
Marca indicativa de que a linha exterior fina deve ser colocada exatamente sobre a dobra do tecido,

Pinças ou Pences.
As linhas tracejadas (linhas de costura) encontram-se num ponto. Em alguns moldes existe também uma linha central, a cheio, indicando a linha de dobra da pinça.

Os tipos de marcações utilizadas nos moldes para saias (costas)



Saia A (costas)
Posição do zíper.
Indica a localização do zíper; as marcações em ambas as extremidades indicam a medida exata do zíper a utilizar.
Centro da frente, centro das costas.
Indicados por uma linha de costura (como neste caso), uma linha de dobra ou uma linha a cheio; apresentam sempre uma identificação clara.
Marcações do correr do fio.
Linha reta terminando em pontas de seta; deve ser colocada na direção do correr do fio.

Linha da bainha.
Comprimento recomendado para a peça de vestuário. (Se não houver qualquer indicação de linha de bainha, as respectivas instruções encontram-se no extremo inferior do molde.)

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Entendendo as peças de um molde de costura

Entendendo as peças de um molde de costura

O conteúdo de todos os envelopes de moldes é basicamente o mesmo: peças de papel identificadas por nome e número, bem como pelo modelo sempre que as peças difiram (nos modelos A e B, por exemplo).
Como as peças de vestuário são normalmente iguais de ambos os lados, a maioria das peças de molde representa apenas metade de cada parte, sendo colocada sobre o tecido dobrado. A folha-guia, a que deverá recorrer em primeiro lugar, indica quais as peças de molde necessárias para cada modelo, orientando ao mesmo tempo o trabalho de corte e de costura.

Embaixo apresentam-se as suas partes de maior utilidade:
1) diagrama das peças do molde que se destina à identificação das peças de cada modelo;
2) planos de corte para cada modelo em função da largura do tecido e do tamanho do molde;
3) instruções para costurar descrevendo todos os passos.

1 - O Diagrama das peças do molde
Contornos - de todas as peças do molde contidas no envelope para todos os modelos e respectivas variações. Contém explicações sobre quais as peças a utilizar para cada tipo de modelo
As Peças do molde    
1. Corpo (frente)
2. Corpo (costas)    
3. Manga
4. Saia A (frente)
5. Saia A (costas)    
6. Vista do decote
7. Vista do decote (costas)
8. Saia B (frente)
9. Saia B (costas)

Vestido A
Utilize as peças: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

Vestido B
Utilize as peças (frente): 1, 2, 3, 6, 7, 8, 9



2 - Plano de corte
Disposição que se recomenda para a colocação das diferentes peças em função das diversas variações, das várias larguras de tecido e de toda a gama de tamanhos do molde.
O exemplo da gravura refere-se ao vestido A, a um tecido de 1,40 m de largura, e aos tamanhos 36, 38 e 40.




3 - Instruções para a costura
Indicações para as diversas fases da confecção, para que esta se processe segundo a ordem devida: os desenhos anexos ilustram as referidas indicações. O exemplo apresentado refere-se aos primeiros passos na confecção do corpo.

Vestido A
FASE 1: CORPO (FRENTE)
Costure as pinças da parte da frente do corpo.
Passe a ferro, virando as pinças do peito para baixo e as outras em direção ao centro.



FASE 2: CORPO (COSTAS)
Costure as pinças do ombro e da cintura. Passe a ferro as pinças, virando-as em direção ao centro,



FASE 3: OMBROS
Una a frente e as costas costurando-as nos ombros; faça coincidir as marcas que ajudam ao acerto das costuras.
Abra estas a ferro.




sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Como calcular a quantidade de tecido para se fazer uma roupa

Como calcular a quantidade de tecido para se fazer uma roupa
Como calcular a quantidade necessária de tecido para se fazer uma roupa.
Para um cálculo rápido do tecido necessário, seguem-se as indicações para algumas peças de vestuário muito comuns, seja no caso de tecidos de 60, 80 ou 90 cm ou 1 m de largura — largura simples - , seja no de tecidos de largura dupla (1,30 m ou 1,40 m).



Para Blusa com mangas:
Tecido de Largura simples: duas vezes o comprimento da blusa mais uma largura da gola, mais uma altura de manga, se esta for normal, ou duas alturas, se for bastante larga.
Tecido de Largura dupla: uma altura de blusa mais uma de manga.


Para Saia ligeiramente «évasée», reta ou com uma prega:
Tecido de Largura simples: duas alturas.
Tecido de Largura dupla: uma altura.


Para Casaco reto:
Tecido de Largura dupla: duas alturas de casaco mais uma de manga.

Para Calças:
Tecido de Largura simples: duas alturas.
Tecido de Largura dupla: Para os tamanhos 36, 38 e 40, uma altura; para o tamanho 42, 44 e 46, uma altura mais 30cm para acrescento.

Para Vestido reto com mangas.
Tecido de Largura simples: duas alturas mais uma ou duas de manga, conforme a aptidão desta.
Tecido de Largura dupla: uma altura para o vestido uma para a manga.


Para Vestidos sem mangas:
Tecido de Largura simples: duas alturas.
Tecido de Largura dupla: uma altura.


quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Como utilizar o envelope de molde como guia para a aquisição de materiais para costura.

Como utilizar o envelope de molde como guia para a aquisição de materiais para costura.

Como utilizar a parte de trás do envelope como guia para a aquisição de materiais para costura

1. Leia a parte que se refere aos tecidos sugeridos para saber quais os tipos de tecido mais apropriados ao modelo segundo a opinião do seu criador.
2. Verifique se existem precauções ou restrições relativas ao tecido para estar certa de que aquele que escolheu é adequado.
3. Faça um círculo em torno do seu próprio tamanho na parte superior do quadro sobre a metragem. Procure na coluna do lado esquerdo a versão e a largura do tecido que escolheu. Se a largura do tecido escolhido não se encontra entre as indicadas, consulte as instruções dadas à esquerda para uma quantidade aproximada.
4. Dê uma olhada pelo resto do quadro sobre a metragem para saber quais as quantidades eventualmente necessárias de entretela, forro e material para arrematar.
5. Adquira todos os materiais indicados para a sua versão do modelo. Quanto à linha, necessitará usualmente de um carretel para uma saia, calças ou blusa simples que não exijam muito acabamento de costuras; dois carretéis para um vestido, um casaco comprido ou um conjunto saia e casaco.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Como é o envelope do molde (verso)

Como é o envelope do molde (verso)
O verso do envelope fornece em detalhe todas as informações necessárias. Abaixo encontra-se uma reprodução do verso de um envelope com todas as indicações.

Observe o envelope de cada novo modelo. Todas as informações dizem algo de importante sobre este. A parte referente à metragem indica a quantidade exata de tecido necessária à confecção de cada variante do modelo e de cada tamanho referente a este. Caso pretenda adquirir um tecido com uma largura não mencionada, consulte o tópico como calcular a quantidade de tecido necessária para se fazer uma roupa. A metragem requerida é cuidadosamente calculada por especialistas de modo a ser suficiente e sem desperdícios. Não é necessário comprar mais tecido, a menos que este seja de um tipo especial — xadrez ou de listas — ou no caso de prever que vai ser necessário efetuar alterações.
No verso do envelope de molde de roupas tem:
Uma breve descrição dos estilos, detalhes e confecção de cada peça de vestuário.
Conselhos especiais sobre o uso de tecidos xadrez ou de listas, com desenho em diagonal ou com pêlo.
As medidas padrão do corpo são dadas como referência. Confronte com as suas para verificar se serão necessárias modificações. As medidas da peça de vestuário depois de pronta são úteis para acertar o comprimento, se necessário, e para confrontar os comprimentos dos diversos estilos.

O quadro de metragem indica a quantidade exata de tecido necessária para cada modelo em diversas larguras.
O número de peças do molde e a sua configuração sugerem a simplicidade ou complexidade de uma peça de vestuário, indicando o tempo e a habilidade necessários para o seu corte e confecção.
Os tecidos sugeridos são os mais indicados para o modelo.
Os acessórios são os artigos necessários para completar a peça de vestuário. O número e o tamanho dos botões, o comprimento dos zíperes, outros processos de fechar, fitas para debruar ou arrematar são também indicados.

Os desenhos da parte posterior da peça de vestuário mostram mais claramente os pormenores da confecção.

Exemplo do verso do envelope de molde



0000                                                                                        12 PEÇAS DE MOLDES

Para a figura «senhora», túnica sem gola, calças com boca de sino e vestido évasé. com ou sem mangas. Recomendado para malhas. A túnica A e um dos vestidos C têm mangas compridas com boca de sino. As calças têm a cintura com uma guarnição e o zíper atrás. É necessário tecido a mais para o acerto de xadrez ou listas. Não adequado para tecidos com motivos em diagonal.

MEDIDAS





Medidas do corpo

38(10)

40(12)

42(14)

44(16)

Busto                                                      cm

83

87

92

97

Cintura

64

67

71

76

Quadril

88

92

97

102

Altura do corpo atrás

40,5

41,5

42

42,5

Comprimento do vestido depois de pronto (atrás)

102

103

104

105,5

Comprimento da túnica depois de pronta (atrás)

75

75,5

76

77

Comprimento das calças depois de prontas

106

107

108,5

109

FIGURA «SENHORA»

TECIDO NECESSÁRIO

38(10)

40(12)

42(14)

44(16)

Versão A-B — Túnica e calças 1,15 m
Sem preceito                            em metros

3,70

3,70

4

4

1,50 m  Sem preceito

2,80

2,80

2,80

2,80

Versão C' —Vestido 1,15 m
Sem preceito

1,70

1,90

2,10

2,10

1,50 m
Sem preceito

1,40

1,40

1,50

1,50

Versão C'' — Vestido 1,15 m
Sem preceito

2,40

2,60

2,70

2,70

1,50 m   Sem preceito

1,90

1,90

2

2,10


20 cm de entretela de 90 cm de largura para o decote

Tecidos sugeridos:
Todas as versões — malhas duplas de lã ou com fibra, piqué, algodão, lã pouco espessa;
túnica e calças — também seda.

Materiais. Linha, arremate para as costuras (facultativo);
vestido e túnica — zíper de 55 cm para as costas;
calças e túnica — dois colchetes:
vestido — um colchete;
calças — um zíper de 18 cm,
1,20 m de gorgorão de 15 mm de largura,
um colchete.


sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Como é o envelope do molde de costura

Como é o envelope do molde de costura
A parte da frente do envelope do molde apresenta o número do modelo e gravuras das diferentes versões daquele contidas no envelope. Geralmente, são indicados também o preço e o tamanho do molde. Antes de comprar, certifique-se de que o modelo e o tamanho correspondem aos que pediu, já que a maioria dos vendedores não faz trocas ou reembolsos de moldes.
Uma vez escolhido o modelo, o desenho ou a fotografia indicam o tipo de tecido apropriado, que pode ser rijo ou maleável, estampado ou liso. Se tiver em mente um tecido xadrez, de listas ou de desenho em diagonal, deve procurar um modelo próprio para ser confeccionado neste tipo de tecido, pois terá assim a certeza de que este lhe é adequado.

Em alguns envelopes aparecem indicações referentes a uma ou mais características insólitas do modelo. Por exemplo, a referência a que o modelo é de fácil confecção, afina a silhueta ou foi criado por um costureiro famoso.



A parte da frente do envelope do molde apresenta um desenho, por vezes uma fotografia, da peça de vestuário e as suas diferentes versões contidas no envelope.
As gravuras servem de orientação, na medida em que os rnodelos se apresentam confeccionados em tecidos considerados os mais apropriados.

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Como utilizar os moldes de costura.

Como utilizar os moldes de costura.
Como utilizar os catálogos de moldes de costura.
Existem em alguns países catálogos de moldes, guias de modas onde é possível escolher os últimos lançamentos e também encontrar informações sobre os tecidos apropriados e os acessórios. Cada catálogo contém uma grande variedade de modelos atuais. Os modelos femininos estão agrupados segundo categorias, como vestidos, roupa esportiva, lingerie, e, além disso, classificados por tipos de figuras. Por exemplo, o vestuário para a figura «senhoras» pode encontrar-se numa seção, e o destinado às «figuras intermediárias», noutra. Por outro lado, muitos catálogos incluem seções especiais, como «Modelos fáceis de confeccionar» ou «Modelos de grandes costureiros». Os moldes para crianças, homens, acessórios, artigos para o lar e ainda brinquedos e máscara encontram-se em seções separadas, normalmente depois dos modelos femininos.

As informações relativas a cada molde encontram-se ao lado das gravuras. Algumas destas informações dizem respeito às diversas versões daquele que se encontram dentro do envelope do molde. Estão incluídos também o modelo visto de costas, a quantidade de tecido necessário, os aviamentos e várias recomendações referentes ao tecido.

Estas recomendações são importantes, especialmente no caso das malhas. «Recomendado para malhas» significa que tanto as malhas como outros tecidos são apropriados para o modelo. «Apenas para malhas» significa que não deverão ser usados outros tecidos, porque o modelo tem um mínimo de formas, contando com a elasticidade do tecido para moldar a figura. Poderão dar-se ainda outras informações sobre o tecido, como «Não indicado para xadrez ou listas».
Os modelos mais recentes aparecem geralmente nas primeiras páginas do catálogo. Refletem as tendências da estação que se aproxima, não só quanto a feitios, mas também a tecidos e acessórios.

Uma tabela de medidas encontra-se nas últimas páginas do catálogo, com as medidas para todos os tipos de figuras, o que é de grande utilidade, especialmente quando se costura para outra pessoa.
Um índice, geralmente presente na última página, refere todos os modelos por ordem numérica, com a indicação do número da página em que cada um se encontra.



Os separadores do catálogo permitem identificar os tipos de molde que é possível encontrar em cada seção.
Num catálogo, a parte mais relevante — na maioria dos casos, cerca de dois terços — é dedicada à moda feminina, dividida em modelos, tipos de figura e estilos diversos.
Na parte final encontram-se os modelos para bebês, crianças, homens e rapazes.
No fim estão os acessórios para o lar e os projetos artesanais — dependendo o âmbito da casa editora dos moldes.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Como funciona a proporção nos modelos de Costura

Como funciona a proporção nos modelos de Costura
A proporção.
As relações existentes entre as diferentes partes de um determinado modelo designam-se por proporções. Estas partes podem ser definidas pelas linhas estruturais ou resultar da forma como se utilizam a cor e a textura, como nos exemplos apresentados logo abaixo. As proporções afetam sempre a estatura e as dimensões aparentes da figura.

O ideal será que as proporções estejam em harmonia entre si e em relação à figura. Isto significa que estampados miúdos, listas, xadrez e detalhes como golas e bolsos são mais indicados para uma figura delicada, enquanto os elementos de maiores dimensões serão mais próprios para uma figura mais volumosa. Um contraste demasiado acentuado produz um efeito desagradável, uma vez que os componentes maiores «esmagam» os menores.

É possível modificar desproporções mediante uma escolha acertada das cores. Por exemplo, xadrez ou flores grandes parecerão menores em tons esbatidos e combinações sutis do que em cores vivas ou contrastantes.


Um estampado miúdo numa figura grande ou um estampado graúdo numa figura pequena criam um contraste demasiado acentuado para ser agradável.
No entanto, é possível modificar estes efeitos escolhendo tons suaves e esbatidos em vez de contrastantes.


Grandes zonas de cores contrastantes dividem a figura horizontalmente no ponto em que as cores diferentes se encontram. Ao fazer uma tal divisão, atenda às proporções. Conseguirá um aspecto mais esguio e parecerá mais alta utilizando apenas uma cor.


Um tecido xadrez pode ter vários efeitos sobre a figura, conforme o seu desenho e os contrastes de cor. De um modo geral, a espaços maiores entre as listas verticais e/ou a um contraste de cor mais acentuado corresponderá um aumento aparente de volume. Para que haja harmonia nas proporções, os motivos maiores serão indicados para uma figura mais volumosa. Escolha um xadrez em cores discretas e com um mínimo de contraste para minimizar o efeito de alteração das dimensões.


Listas na vertical podem dar a impressão de maior largura do que as mesmas listas dispostas horizontalmente, embora frequentemente se pense o contrário.


Os adornos devem estar em proporção com a figura e a peça de vestuário. Quem tiver pouca estatura poderá aparentar muito volume na parte superior do corpo com uma grande gola; sendo muito alta, a mulher poderá ficar mal com uma gola minúscula. Note: como o tamanho da gola afeta as proporções de figuras de igual tamanho como as da gravura.


sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Como escolher a Cor e textura certa na costura.

Como escolher a Cor e textura certa na costura.
Como escolher a Cor, textura e detalhes certos na costura
Dentre os vários elementos que afetam as dimensões aparentes da figura, a cor é, sem dúvida, um dos mais importantes. Em geral, as cores quentes, intensas e claras «avançam», fazendo a figura parecer maior; as cores frias, discretas e escuras «retrocedem», fazendo-a parecer mais esguia.

A textura afeta igualmente de forma decisiva as dimensões da figura. Um tecido brilhante torna-a maior; outro, com um acabamento mate, alonga-a. As características descritas como textura incluem não só a reflexão da luz, ou brilho, e o toque, áspero ou macio, mas também o grau de rigidez ou maleabilidade, o peso e o encorpamento que determinam o caimento do tecido.

A textura reveste-se de importância, não apenas pelo seu efeito sobre a figura, como igualmente pela sua relação com o feitio. O tweed, por exemplo, não é indicado para um vestido de noite, mas poderá ser excelente para uma saia longa.

A melhor maneira de prever o efeito da cor e da textura consiste em armar sobre o seu corpo pelo menos 2 m de tecido, observando-se depois num espelho de corpo inteiro e com luz do dia.

Cores vivas ou intensas conferem sempre um aspecto mais volumoso à figura do que as mesmas cores quando esbatidas (ou seja às quais se adicionou cinzento).
Se quiser parecer mais esguia, não utilize cores vivas em grandes áreas ou mesmo na totalidade de uma peça de vestuário, mas apenas em detalhes.

Uma cor escura faz retroceder a figura, tornando-a aparentemente menor; uma cor clara faz com que ela avance, criando a sensação oposta.
Cores quentes — vermelhos, amarelos e laranja —, especialmente em tons vivos, tornam a figura mais volumosa;
Cores frias — azuis, verdes, violetas —, de intensidade e brilho semelhantes, fazem-na parecer mais delgada.

As texturas granulosas ou felpudas são mais volumosas que a maioria das texturas lisas, dando um aspecto mais pesado à figura. Quem tiver pouca estatura deve ter um cuidado especial ao escolher uma textura rugosa, para que esta não se torne demasiado esmagadora em relação à sua figura.
Um tecido rígido utilizado num feitio sem cortes ocultará a figura, fazendo-a todavia parecer maior. A mesma silhueta num tecido maleável que adira ao corpo ficará moldada.
Nenhum dos extremos favorece uma figura que não apresente proporções perfeitas. Estão mais indicadas as texturas
relativamente maleáveis ou rígidas.


quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Tipos de Detalhes usados na costura.

Tipos de Detalhes usados na costura.

Detalhes como mangas, decotes, golas e bolsos, embora subordinados à silhueta e às linhas estruturais, podem revestir-se de não menos importância, conforme a sua forma e localização.

Os detalhes podem ter, entre outras, as seguintes finalidades:
1) acentuar uma silhueta, como no caso de mangas em forma de sino em relação a um vestido linha trapézio;
2) dar uma nota de realce a uma peça de vestuário simples;
3) tornar prática uma peça de vestuário formal;
4) despertar a atenção para uma característica interessante, afastando-a também de uma menos atraente.


Com freqüência, um detalhe pode criar simultaneamente efeitos diversos, como o demonstram as golas das gravuras acima.
A gola da esquerda parece alongar o pescoço, ao mesmo tempo que aumenta a largura dos ombros e cria uma ilusão de maior volume na parte superior do corpo.
A gola à direita torna o rosto mais longo sem afetar a altura ou o comprimento do pescoço.


Os bolsos sobre os quadris chamam sempre a atenção para esta zona, embora a impressão geral varie em função do tamanho e localização daqueles. Seja qual for o objetivo dos detalhes, não os utilize em excesso, já que nessas circunstâncias o efeito geral será confuso.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Tipos de Linhas estruturais usadas na costura.

Tipos de Linhas estruturais usadas na costura.
As linhas interiores do feitio de uma peça de vestuário conferem uma nova dimensão à silhueta.
Cada tipo de linha — horizontal, vertical, diagonal ou curva —influencia de modo particular uma figura (v. exemplos embaixo). Por vezes, a colocação de uma linha pode ser mais relevante que o seu tipo, pois os nossos olhos tendem a mover-se numa dada direção — da esquerda para a direita e de cima para baixo. Assim, se numa peça de vestuário coexistirem linhas verticais e horizontais, os olhos serão atraídos em primeiro lugar para as horizontais.

Existem alguns princípios gerais quanto à utilização das linhas:
1) quanto mais longa, mais larga e mais repetida for uma linha, tanto maior será a sua influência no aspecto geral;
2) as dobras de tecido (pregas ou machos, por exemplo) criam linhas, mas simultaneamente aumentam o volume;
3) quanto mais linhas existirem no padrão do tecido, menos linhas deverá apresentar o feitio.


As Linhas verticais.
Criam geralmente uma ilusão de altura e aspecto esguio. Contudo, quando repetidas a intervalos regulares, podem dar à figura um aspecto mais largo e mais baixo, pois os olhos são atraídos de um lado para o outro.


As Linhas horizontais.
Têm tendência para cortar a altura, especialmente quando dividem a figura a meio. Mas uma linha horizontal colocada acima ou abaixo da linha média realça a zona menor, parecendo alongar visualmente a maior.


As Linhas em diagonal.
Podem contribuir para aumentar a altura ou a largura, conforme o seu comprimento e ângulo. Uma diagonal longa cria uma ilusão de maior altura. Uma diagonal pequena dá uma ilusão de maior largura.


As Linhas curvas.
Criam os mesmos efeitos que as linhas retas de localização semelhante, embora de uma forma mais sutil. O efeito visual é mais suave. Uma linha curva produz sempre um efeito de arredondamento e de maior corpulência,